POLICIAL

[POLICIAL][threecolumns]

POLÍTICA

[POLÍTICA] [threecolumns]

ANUNCIANTES

O argentino Jorge Mario Bergoglio é eleito o novo Papa


Jorge Mario Bergoglio, o novo Papa Francisco, abençoa os fieis na sacada da Basílica de São Pedro
Jorge Mario Bergoglio, o novo Papa Francisco, abençoa os fieis na sacada da Basílica de São Pedro
ROMA — “Foram me buscar quase no fim do mundo.” A primeira impressão deixada por Francisco I aos fiéis que aguardavam o novo Papa na Praça de São Pedro foi a de um homem simples e que parece ter bom humor. Após dois dias e cinco reuniões, uma mais que na eleição de Bento XVI, os 115 cardeais eleitores escolheram o argentino Jorge Mario Bergoglio, de 76 anos, para assumir o Trono de Pedro. A escolha surpreendeu os analistas, já que o cardeal de Buenos Aires não constava nas listas dos principais papáveis. Mas sua escolha atendeu a uma das tendências nas quais muitos apostavam: ele é o primeiro Papa latino-americano. E também o primeiro jesuíta a se tornar Pontífice.

- Vocês sabem que o objetivo do conclave era dar um bispo a Roma. E parece que meus amigos cardeais foram buscar quase no fim do mundo. Mas aqui estamos. Obrigado. E antes de mais nada, gostaria de fazer uma oração pelo nosso Papa Emérito, Bento XVI. Oremos todos juntos por ele, para que o Senhor o abençoe e Nossa Senhora o receba - disse o novo Papa na sacada da Basílica de São Pedro, antes de rezar o Pai Nosso.

De acordo com o também jesuíta Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, o novo Papa conversou com Bento XVI e os dois combinaram de se encontrar nos próximos dias. Nesta sexta pela manhã, Francisco irá se encontrar com os cardeais. No sábado, com os jornalistas. A missa de inauguração de seu Pontificado será na próxima terça-feira, dia de São José.

Às 15h06 do horário de Brasília (19h06, horário do Vaticano), a fumaça branca que simboliza que simboliza a eleição do novo Papa foi expelida da chaminé da Capela Sistina. Os sinos da basílica de São Pedro confirmaram que o novo Pontífice aceitou a missão de comandar a Santa Sé. Poucos instantes depois, os sinos da Catedral de Milão, de São Francisco em Assis e de Florença também começaram a tocar.

O arcebispo de Buenos Aires é um jesuíta intelectual que viaja de ônibus e tem uma abordagem própria da pobreza: quando foi nomeado cardeal, Bergoglio convenceu centenas de argentinos a não voar até Roma para celebrar com ele e, em vez disso, doar o dinheiro que gastariam para os pobres.

Considerado um moderado, de carreira acadêmica, ele é aberto ao diálogo com outras religiões e nunca foi acusado de nada relacionado à pedofilia. A reforma da Curia está ente suas prioridades. Bergoglio também foi um forte oponente à legalização do casamento gay na Argentina em 2010, argumentando que “crianças necessitam do direito a serem criados e educados por um pai e por uma mãe”.

- É interessante que seja alguém da América Latina, mas ninguém falava do Bergoglio, não era cotado. Ele realmente não se dá bem com Cristina Kirchner. Definitivamente não é progressista. É uma pessoa de centro, conservadora, passeia pelos bairros pobres de Buenos Aires. Intelectualmente, não se alinha com Ratzinger. Não me surpreenderia se Scherer fosse secretário de Estado, mas talvez fosse poder demais para a América Latina. Ele é contra o aborto, seu posicionamento em relação ao sexo é o mesmo de Ratzinger - disse ao GLOBO Maria Clara Bingemer, professora de Teologia da Puc-Rio.

Poucos minutos depois do anúncio, o símbolo do Vaticano para o período de Sé Vacante foi retirado do site oficial da Santa Sé e substituído pela inscrição “Habemus Papam”. O teólogo brasileiro Leonardo Boff declarou à agência Ansa, que ficou “surpreso com a rápida” eleição do novo Papa.

- A verdade é que estou surpreso, eu não posso dizer nada sobre o novo Papa, é preciso esperar, mas a escolha foi rápida, tão rápida, que é surpreendente. Só gostaria que o Papa eleito seja um Francisco I, um Papa de sandálias para caminhar - disse Boff em uma entrevista telefônica, pouco antes de Bergoglio ser anunciado.

Fiéis comemoram anúncio
A imagem da fumaça branca levou ao delírio os milhares de pessoas que enfrentavam a chuva fina e um temperatura de 9 graus na Praça de São Pedro. Além do mau tempo, muitos fiéis deixaram de ir até a praça devido à expectativa de que a escolha aconteceria apenas na quinta-feira. O jornal italiano “La Stampa” publicara em sua manchete de quarta “Um novo Papa amanhã”. Pela manhã já haviam sido feitas duas votações sem que nenhum cardeal conseguisse os 77 votos mínimos para ser escolhido.

Uma explosão de gritos da multidão de fiéis presentes na Praça de São Pedro saudou a fumaça branca. “Viva o Papa, viva o Papa”, é o grito que vinha da praça.

“Eu não esperava assistir esta noite a uma coisa tão bonita”, contou um jovem, quase em lágrimas. "Nós viemos aqui, viemos aqui para ver o novo Papa", gritaram outros fieis.

Pela manhã, para frustração das centenas de pessoas que aguardavam na Praça de São Pedro, a fumaça preta saiu da chaminé da Capela Sistina às 11h30m (7h30m no Brasil), indicando que o pontífice ainda não havia sido escolhido. Os trabalhos do conclave foram interrompidos para o almoço ao meio-dia (8h no Brasil) e retomados às 15h (11h no Brasil).

Desde as primeira horas do dia, peregrinos e turistas chegavam à Praça de São Pedro, no Vaticano, a despeito do mau tempo, na esperança de testemunhar o surgimento da fumaça branca na chaminé da Capela Sistina.

Leia mais: http://extra.globo.com/noticias/mundo/o-argentino-jorge-mario-bergoglio-eleito-novo-papa-7829397.html#ixzz2NTGQnDiY
ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
A N U N C I E A Q U I
ANUNCIE AQUI!