POLICIAL

[POLICIAL][threecolumns]

POLÍTICA

[POLÍTICA] [threecolumns]

ANUNCIANTES

PPS e PMN decidem antecipar fusão para esta quarta


A movimentação da base governista para tentar atrapalhar a criação de novos partidos antecipou para a próxima quarta-feira (17) a decisão do PPS e PMN de fazer a fusão.

Inicialmente, a possibilidade de união entre os dois partidos estava sendo discutida para ocorrer apenas no meio do ano.

A decisão de se antecipar ocorreu neste sábado (13) em Brasília, após integrantes do diretório nacional do PPS aprovarem a fusão e acertarem os detalhes para a realização de um Congresso Nacional do partido na próxima semana. Na ocasião, deverá ser feita a oficialização da união.

De sua parte, a secretária-geral do PMN, Telma Ribeiro, passou o dia em um hotel de Brasília disparando telefonemas e e-mails avisando os seus correligionários sobre o encontro da próxima quarta-feira. Até a semana passada, Telma Ribeiro trabalhava com a possibilidade de fazer as consultas finais no dia 5 de maio.

A ação conjunta dos dois partidos tem como objetivo se adiantar a uma possível aprovação do projeto, que tramita no plenário da Câmara, e determina que uma nova legenda só poderá contar com tempo de TV e o fundo partidário após passar por uma eleição para a Câmara dos Deputados.

Na noite da última quarta-feira (10), integrantes do PT e PMDB articularam nos bastidores para aprovar um requerimento que acelerava a votação do projeto. A medida foi tomada sem o conhecimento da maioria dos líderes partidários, o que gerou revolta por parte do PSB, PSDB, PPS e PV no plenário. A proposta acabou não sendo aprovada.

Após admitir o erro, o presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), anunciou que o projeto será colocado em votação na próxima terça-feira (16), véspera da possível fusão entre PPS e PMN. Para que entre em vigor, o projeto precisa, depois de passar pela Câmara, ser votado pelo Senado.

"A manobra pegou o pessoal desconcertado. Percebe-se que se trata de um interesse casuístico", disse Telma Ribeiro.

"Quem está com o cronometro na mão é o governo. É agora ou nunca", disse ex-deputado e membro da Executiva do PPS, Raul Jungmann.

JANELA

Caso se confirme a fusão na próxima quarta-feira, deverá ser aberto um prazo para que os políticos mudem para o partido sem o risco de perder o mandato. Esse período é conhecido como "janela".

O nome mais contado hoje da nova legenda é o MD (Mobilização Democrática), o mesmo registrado em 2006 quando as duas legendas, mais o PHS, ensaiaram uma primeira união.

Com a criação da janela, a expectativa de parte dos integrantes do PPS é que o ex-governador José Serra deixe o PSDB para fazer parte da nova legenda.

Serra participou ontem de evento promovido pelo PPS onde defendeu a união de forças da oposição contra possível candidatura de Dilma à reeleição.

Outra hipótese discutida é o apoio à possível candidatura à Presidência de Eduardo Campos (PSB) ou até mesmo de Marina Silva, que tenta criar o Rede Sustentabilidade.

Também está no radar do novo partido a adesão de parlamentares descontentes com as atuais legendas. Hoje o PPS conta com 10 deputados e o PMN com três. A expectativa é que a nova bancada na Câmara chegue a pelo menos a 20 deputados

O comando do partido deve ser destinado o atual presidente do PPS, deputado Roberto Freire (SP).

Como parte do estatuto estuda-se, entretanto, que se divida, meio a meio, as presidências estaduais e municipais. E onde tiver o presidente de um dos partidos, ele não contará com a maioria dos membros.

(folhaonline)
ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
A N U N C I E A Q U I
ANUNCIE AQUI!