ANUNCIE AQUI!

Passe Livre anuncia que não convocará mais protestos em São Paulo

Motivo, segundo o movimento, é a participação de ativistas de causas não apoiadas pelo grupo, como a criminalização do aborto

Luciano Bottini Filho - O Estado de S. Paulo
SÃO PAULO - O Movimento Passe Livre (MPL) em São Paulo, que promoveu sete protestos na cidade desde o dia 6 de junho, não convocará novas manifestações na capital, anunciaram integrantes da grupo nesta sexta-feira, 21. O motivo é a participação de ativistas de causas não apoiadas pelo grupo, como criminalização do aborto e redução da maioridade penal. Os protestos em outras cidades do País, que tiveram início após atos em São Paulo, podem continuar, conforme a decisão dos membros do movimento no restante do Brasil. (Veja a cobertura completa das manifestações pelo País)

De acordo com Rafael Siqueira, integrante do MPL, o grupo não é contra a participação de partidos políticos, desde o começo das mobilizações na rua. No entanto, nos últimos atos, eles consideram que surgiram pessoas com objetivos conservadores, incompatíveis com o pensamento do Passe Livre, como representantes do neofascismo.

Agora, segundo Siqueira, o MPL em São Paulo deverá suspender todas as convocações para decidir o futuro das reivindicações a respeito do transporte público (a reivindicação inicial do grupo, a redução da tarifa de transporte público, foi atendida) e urbanismo e como lidar com ativistas com objetivos contrários a seus ideais.

“A suspensão de novos atos não tem nada a ver com a participação de partidos”, disse Siqueira.“A suspensão de novos atos  é por dois motivos simples. A gente vai ter que analisar e fazer  uma reflexão profunda com as pessoas que são aliadas da gente na luta contra o aumento de que atitude tomar. Nada é feito por acaso. A segunda coisa é que muita gente da direita, com pautas que a gente discorda totalmente, estão se aproveitando dos atos.”

No protesto de quinta-feira, manifestantes do PT foram hostilizados por participantes da passeata que não queriam a presença de partidos no ato. Em nota em sua página no Facebook, o Passe Livre, que afirma ser "um movimento social apartidário, mas não antipartidário", repudiou os "atos de violência direcionados a essas organizações durante a manifestação de hoje (quinta), da mesma maneira que repudiamos a violência policial". "Desde os primeiros protestos, essas organizações tomaram parte na mobilização. Oportunismo é tentar excluí-las da luta que construímos juntos", diz o texto.

Share on Google Plus

About BLOG DO UDENILSON