POLICIAL

[POLICIAL][threecolumns]

POLÍTICA

[POLÍTICA] [threecolumns]

ANUNCIANTES

NOTA DE ESCLARECIMENTO



O presidente da Assembleia Legislativa, deputado Marcelo Nilo indicou o deputado Deraldo Damasceno(PSL) para representar o Legislativo no grupo de trabalho que apresentará propostas para reestruturação e modernização organizacional da Polícia Militar. Deraldo Damasceno já atuava como suplente nesse organismo que é coordenado pelo secretário de Segurança Pública, Maurício Barbosa, substituirá o deputado Capitão Tadeu(PSB).

O grupo de trabalho foi instituído pela administração estadual com representações de diversos órgãos e associações relacionadas com a Polícia Militar, inclusive a Assembleia Legislativa. Para o presidente Marcelo Nilo a troca é um processo natural, pois “perdi a confiança política no Capitão Tadeu com relação a está área de atuação”, portanto ele não poderia continuar a me representar e à maioria da Casa nesse colegiado de alto nível.

DESMENTIDO
Aproveitou para refutar denúncia de dois policiais militares que prestaram serviço ao Legislativo – devolvidos ao comando da corporação – sobre a existência de desvio de função entre os PMs lotados na Assistência Militar: Não existe um único caso de desvio de serviço como apresentado nessa pretensa denúncia. Cinqüenta e quatro policiais trabalham em nosso parlamento no regime de plantões e folgas. Cuidam do patrimônio representado por quatro prédios, portarias, estacionamentos e da segurança dos deputados, funcionários e visitantes.

Os denunciantes é que incorriam nesse desvio funcional, pois faltosos contumazes da escala de serviços justificavam as ausências em alegações escritas relatando viagens de cunho político ao interior e até para outros estados acompanhando o deputado Capitão Tadeu. As justificativas são do próprio punho e as faltas não aconteciam em férias ou momentos de folgas, como podem querer explicar.

O absenteísmo especialmente desde 2009 causou um crescendo de casos de indisciplina que acabou determinando o retorno dos faltosos, subtenente Evaldo Santos Silva e sargento Edilson Santos à Polícia Militar – completou. Os documentos que comprovam este fato estão à disposição dos baianos.
Ligados ao Capitão Tadeu, só depois de excluídos da Assistência Militar da Assembleia decidiram, denunciar esse pretenso desvio, distorcendo informações com o intuito de confundir. O deputado que milita nesse área chegou a ser responsável pela presença de 40 policiais militares entre os 54 que servem na Assembleia e indicou o coronel Siegfried Frazão para chefiar a Assistência Militar até ir para a reserva remunerada.
  
Assessoria de Imprensa.
ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
A N U N C I E A Q U I
ANUNCIE AQUI!