Top Ad 728x90

ANUNCIE AQUI

TV ITIÚBA

8 de novembro de 2013

Às vésperas da eleição interna, PT e aliados racham na Bahia

TIAGO DÉCIMO - Agência Estado

Salvador - Às vésperas da eleição que vai definir a composição da nova direção estadual da legenda,  no sábado, 9, e do anúncio oficial de quem será o candidato do partido ao governo da Bahia, previsto para o próximo dia 30, o PT enfrenta disputas internas que já extrapolaram os limites do partido.

Na linha de frente, estão apoiadores de três pré-candidatos da legenda a suceder o petista Jaques Wagner no comando da administração estadual: o secretário da Casa Civil, Rui Costa, preferido do governador; o secretário do Planejamento e ex-presidente da Petrobras, José Sergio Gabrielli, que tem o apoio de organizações sindicais e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva; e o senador Walter Pinheiro, que reúne boa parte da base do partido, mas encontra forte resistência da direção estadual da legenda.

Até grupos organizados que historicamente apoiam a legenda no Estado, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), escancaram as divergências. O líder nacional do movimento, João Pedro Stédile, por exemplo, divulgou vídeo, na segunda-feira, 4, em apoio a candidatura de Gabrielli. "É o melhor quadro do PT baiano para ser governador", disse no depoimento, distribuído pela internet.

No dia seguinte, a direção baiana do MST reagiu publicamente ao anúncio. "O posicionamento reflete uma opinião pessoal de nosso companheiro, não uma posição da direção do MST na Bahia", disse o líder estadual do movimento, Márcio Matos, também integrante da direção nacional do MST. "Estamos com Rui Costa pela sua relação histórica com o MST baiano."

A disputa se estende aos partidos aliados ao governo. Apesar de ainda restrita aos bastidores, já há conversas sobre possível saída de legendas da base caso um ou outro candidato seja o escolhido. O PP, liderado no Estado pelo ex-ministro das Cidades Mário Negromonte, por exemplo, já avisou ao PT baiano que prefere a candidatura de Walter Pinheiro - e não descarta apoiar a senadora Lídice da Mata, pré-candidata ao governo pelo PSB, caso o escolhido seja outro.

Favoritismo. O nome de Costa, porém, desponta como o favorito. Companheiro de Wagner desde os tempos em que ele liderava o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Petroquímica do Estado, no fim dos anos 1980, o secretário da Casa Civil acompanhou o governador em toda a carreira política e atualmente cuida de duas das áreas mais estratégicas em investimentos no Estado, transporte e mobilidade urbana. Ele também conta com o apoio da atual direção da legenda no Estado e do candidato favorito a assumir a nova direção, Everaldo Anunciação - um dos cinco candidatos na também conturbada eleição.

A pré-candidatura de Costa ainda recebeu, na semana passada, um grande reforço, quando ele foi publicamente elogiado pela presidente Dilma Rousseff durante a inauguração de uma via expressa em Salvador. Presente ao evento, sentado na primeira fila das autoridades - Costa estava na de trás -, Pinheiro não escondeu a insatisfação com o comentário.

Enquanto isso, Gabrielli tenta arregimentar apoios no PT nacional e põe o pé na estrada na Bahia. O pré-candidato, que chegou a fazer um grande evento, no dia 19, em um hotel de Salvador, para lançar "oficialmente" a pré-candidatura (a campanha chama-se "Tô com Zé"). Ele também se reuniu com Lula no início da semana,em São Paulo, e parte, neste fim de semana, para uma série de viagens pelo interior da Bahia. A intenção é visitar até o fim do mês, 13 cidades que são polos regionais do Estado, em grandes eventos organizados por seus apoiadores.

0 Comentários:

Postar um comentário

COMENTE AQUI!!!

Top Ad 728x90