POLICIAL

[POLICIAL][threecolumns]

POLÍTICA

[POLÍTICA] [threecolumns]

ANUNCIANTES

Marina já sinaliza apoio a Aécio Neves

RTEmagicC_26c7f8aa55.jpgFora do segundo turno, Marina Silva sinalizou, na noite de ontem, que pode apoiar um dos candidatos à Presidência, diferentemente da posição que tomou em 2010, quando se declarou neutra. Em um espaço de eventos em São Paulo, ela afirmou que o programa de governo que lançou é a base de qualquer diálogo e indicou na direção de Aécio Neves (PSDB), da oposição, ao afirmar que “o Brasil sinalizou claramente que não concorda com o que aí está” e que reivindica uma “mudança qualificada”.

“É com esse senso de responsabilidade que participarei como liderança. (…) Nós vamos fazer a discussão, mas obviamente que estatisticamente a população mostra isso (sentimento de mudança), não dá para tergiversar com o sentimento do eleitor”, afirmou, respondendo ao questionamento se descartava o apoio a Dilma.

Antes do ato, Marina se reuniu com familiares e assessores num hotel de São Paulo para acompanhar a apuração. Aliados começaram a prospectar sua posição no segundo turno já na tarde do domingo. Alguns afirmam que a ex-senadora deve seguir a posição de 2010, quando não apoiou nenhum dos dois finalistas.

No entanto, há no partido quem defenda que ela declare voto. Nesse caso, as maiores apostas são para a aliança com  Aécio Neves. Apesar de terem detectado a curva de crescimento do tucano, o resultado final deixou muitos marineiros perplexos com o desempenho da candidata, que lembra o do presidenciável Ciro Gomes (PPS) em 2002 – ele chegou a liderar as pesquisas, mas desidratou no final. Em números e percentual, a pessebista teve um resultado muito próximo ao de 2010, quando foi candidata pelo PV.

Ponte Lula
Surpresos com o tamanho do crescimento de Aécio Neves  na reta final do 1º turno, o comando da campanha de Dilma Rousseff vai tentar agora construir “pontes” com o PSB e Marina Silva. Os petistas vão atuar em duas frentes: enquanto o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi escalado para procurar a família do ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos – morto em um desastre aéreo no dia 13 de agosto -, a cúpula da campanha vai investir na articulação com o seu maior aliado na legenda – o presidente do PSB, Roberto Amaral.

Tucanos
Já, para o PSDB, discurso da mudança vai atrair a ex-ministra do Meio Ambiente de Lula. Aliados de Aécio Neves começam a esboçar uma lista de integrantes do PSB e do grupo político de Marina a ser procurados para construir as pontes de uma declaração de apoio da candidata derrotada.

Os tucanos apostam que os ataques da campanha petista e o discurso mudancista de Marina vão levá-la a apoiar Aécio. O diretório paulista do PSB é um dos caminhos para atrair o partido de Marina. O presidente regional da sigla, Márcio França, foi eleito vice-governador ao lado de Geraldo Alckmin. Fora isso, o PPS, que apoiou a ex-ministra, é presidido por Roberto Freire, aliado tradicional do PSDB. Outro alvo prioritário é o ex-tucano Walter Feldmann, conselheiro político de Marina. (Correio e Agências de Notícias)
ANUNCIE AQUI!
ANUNCIE AQUI!
A N U N C I E A Q U I
ANUNCIE AQUI!